Repositório Científico do Instituto Nacional de Saúde >
Departamento de Alimentação e Nutrição >
DAN - Posters/abstracts em congressos nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.18/912

Título: Arsénio e crómio: técnicas analíticas para avaliar o seu impacto na saúde das populações
Autor: Coelho, Inês
Gueifão, Sandra
Castanheira, Isabel
Palavras-chave: Arsénio
Crómio
Toxicidade
Especiação Química
Segurança Alimentar
Issue Date: Mar-2012
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Resumo: A ingestão de alimentos representa a principal fonte de exposição humana ao arsénio, sendo que a sua acumulação no organismo causa doenças a médio e longo prazo. No entanto a toxicidade dos elementos não depende apenas do seu teor total mas principalmente da espécie química em que estes se encontram presentes nos alimentos. No caso particular do arsénio, as espécies inorgânicas são mais tóxicas que as orgânicas e, dentro destas, nem todas apresentam o mesmo nível de toxicidade. Algumas espécies orgânicas são inclusive consideradas não tóxicas como é o caso da arsenobetaina (AsB) e arsenocolina (AsC), enquanto as espécies inorgânicas, arsenitos e arsenatos, são consideradas cancerígenas. Recentemente o IRMM, Institute for Reference Materials and Measurements, publicou um estudo sobre os métodos analíticos disponíveis para medir o arsénio nos alimentos consumidos na União Europeia, tendo concluído que os métodos disponíveis são adequados para a determinação do arsénio total. Entretanto a EFSA concluiu que os meios laboratoriais, existentes entre os países da comunidade europeia, ainda não são suficientes para identificar as espécies químicas de arsénio. É possível determinar o arsénio total dentro dos requisitos da ISO 17025, mas é necessário prosseguir nos estudos de especiação A acoplação de um cromatógrafo líquido de alta resolução (HPLC) a um espectrómetro de massa acoplado a plasma induzido (ICP-MS) permite aliar o poder de separação do primeiro à elevada seletividade e sensibilidade do segundo, sendo, por isso, a metodologia analítica de excelência para a especiação química O nosso laboratório dispõe neste momento de capacidade instalada, quer em termos de recursos humanos quer em termos de equipamentos, para desenvolver estudos no âmbito da especiação química, tendo já desenvolvido os métodos de identificação e quantificação de espécies químicas de arsénio em pescado e em arroz. De futuro, pretende-se alargar estes métodos a outras matrizes alimentares e a outros elementos químicos, nomeadamente crómio.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/912
Appears in Collections:DAN - Posters/abstracts em congressos nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Poster.pdf8,99 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © 2010 www.insa.pt - Todos os direitos reservados | Feedback Ministério da Saúde
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia