Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.18/5675
Título: O stress ambiental pode provocar mais alterações nas plantas do que a engenharia genética
Outros títulos: Environmental stress is the major cause of transcriptomic and proteomic changes in GM and non-GM plants
Autor: Batista, Rita
Fonseca, Cátia
Planchon, Sébastien
Negrão, Sónia
Renaut, Jenny
Oliveira, M. Margarida
Palavras-chave: Stress Ambiental
Plantas Geneticamente Modificadas
Cultura in vitro
Arroz
stress salino
Portugal
Segurança Alimentar
Saúde Pública
Data: Dez-2018
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Citação: Boletim Epidemiológico Observações. 2018 setembro-dezembro;7(23):44-8
Resumo: A aprovação das plantas geneticamente modificadas é precedida de vários anos de investigação intensiva de forma a garantir a sua segurança para o homem e ambiente. Recentemente demonstrámos que o stress da cultura in vitro parece ser o fator que mais influencia as diferenças proteómicas encontradas entre as plantas geneticamente modificadas (GM) e os seus controlos. Neste trabalho tentámos avaliar quantas gerações são necessárias para os efeitos da “memória” desse stress serem apagados. Tentámos também comparar a relevância das alterações provocadas pelo stress da cultura in vitro quando comparadas com as provocadas por outros stresses ambientais. Para tal seguimos três linhas de arroz durante oito gerações após a transgénese combinando técnicas de análise transcritómica e proteómica. Na geração F6 as plantas foram sujeitas a stress salino. Os resultados deste trabalho demonstraram que: (a) as diferenças promovidas durante a modificação genética são maioritariamente diferenças fisiológicas de curta duração, que atenuam ao longo do tempo; (b) os stresses ambientais podem causar mais alterações proteómicas/trascritómicas que a engenharia genética. Com base nos dados obtidos questionamos quais os ensaios que são realmente relevantes e quais aqueles claramente excessivos na avaliação do risco das plantas GM para a saúde humana e animal, plantas e ambiente.
The approval of genetically modified (GM) crops is preceded by years of intensive research to demonstrate safety to humans and environment. We recently showed that in vitro culture stress is the major factor influencing proteomic dif ferences of GM vs. non-GM plants. This made us question the number of generations needed to erase such "memor y". We also wondered about the relevance of alterations promoted by transgenesis as compared to environment-induced ones. Here we followed three rice lines throughout eight generations af ter transgenesis combining proteomics and transcriptomics, and fur ther analyzed their response to salinity stress on the F6 generation. Our results showed that: (a) dif ferences promoted during genetic modification are mainly shor t-term physiological changes, attenuating throughout generations, and (b) environmental stress may cause far more proteomic/transcriptomic alterations than transgenesis. Based on our data, we question what is really relevant in risk assessment design for GM food crops.
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/5675
ISSN: 0874-2928
2182-8873 (em linha)
Aparece nas colecções:DAN - Artigos em revistas nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Boletim_Epidemiologico_Observacoes_N23_2018_artigo8.pdf805,69 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.