Repositório Científico do Instituto Nacional de Saúde >
Departamento de Epidemiologia >
DEP - Relatórios científicos e técnicos >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.18/436

Título: Registo Nacional de Anomalias Congénitas (RENAC), Relatório de 2002-2007
Autor: Departamento de Epidemiologia
Palavras-chave: Estados de Saúde e de Doença
Epidemiologia
Registo Nacional de Anomalias Congénitas
Prevalência de Anomalias Congénitas
RENAC
2002-2007
Issue Date: Jun-2010
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Resumo: O Registo Nacional de Anomalias Congénitas (RENAC, ex-CERAC) é um registo epidemiológico de base populacional, destinado a permitir a observação e a vigilância epidemiológica da ocorrência de casos de anomalias congénitas em Portugal. O RENAC recebe notificações de diversas origens, principalmente dos Serviços de Obstetrícia e de Neonatologia dos hospitais portugueses, sendo registados todos os casos com pelo menos uma anomalia major. O Registo cobre todo os recém-nascidos vivos, cujas anomalias sejam detectadas até ao final do período neo-natal, assim como os abortos espontâneos, os fetos mortos e as interrupções médicas de gravidez, com pelo menos uma anomalia congénita. O presente relatório abrange um período de 6 anos, compreendido entre 2002 e 2007, em que a população sob vigilância variou entre o número máximo de 80840 nascimentos em 2002 e o número mínimo de 57088 nascimentos, em 2006, representando, respectivamente, 76,8% e 57,2% de todos os nascimentos ocorridos em Portugal. A cobertura média no período sob vigilância foi de 66,6% do número total de nascimentos ocorridos nos hospitais que notificaram para o RENAC, de acordo com as estatísticas oficiais. O número total de casos notificados neste período foi de 5815, com 8643 anomalias congénitas. O número máximo de casos verificou-se em 2002, 1306 casos e o valor mínimo, 684 casos, no ano 2006. O número máximo de anomalias registadas foi de 2062 anomalias, isoladas ou em associação, no ano 2002 e de 1009 anomalias, no ano 2006. A prevalência máxima observada foi de 233,6/10000 no ano 2002 e a mínima de 165,5/10000 no ano 2006. De entre todas as anomalias registadas, o grupo mais frequente foi o das anomalias do aparelho circulatório (25,5%) a que correspondeu a prevalência de 50,5 por cada 10000 nascimentos. Seguiram-se as anomalias do sistema osteomuscular (20,7%; 40,9 casos por cada 10000 nascimentos) e do aparelho urinário (14,5%; 28,7 casos por cada 10000 nascimentos).
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/436
Versão do Editor: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/Publicacoes/Outros/Documents/Epidemiologia/Relatorio_RNAC_2002_2007.pdf
Appears in Collections:DEP - Relatórios científicos e técnicos

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Relatorio_RNAC_2002_2007.pdf1,07 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © 2010 www.insa.pt - Todos os direitos reservados | Feedback Ministério da Saúde
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia