Repositório Científico do Instituto Nacional de Saúde >
Departamento de Saúde Ambiental >
DSA - Apresentações orais em encontros internacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.18/434

Título: Efeitos de microcistina-LR em células HepG2, Vero, MDCK e CaCo2
Autor: Menezes, Carina
Alverca, Elsa
Dias, Elsa
Sam-Bento, Filomena
Pereira, Paulo
Palavras-chave: Microcistina-LR
Citotoxicidade
Ultrastrutura
Linhas Celulares
Água e Solo
Issue Date: 8-Jul-2011
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Resumo: A microcistina-LR (MCLR) é amplamente reconhecida pela sua hepatotoxicidade. No entanto sabe-se que também afecta outros orgãos tais como o cérebro, rins e intestinos. Este trabalho tem como objectivo comparar os efeitos tóxicos da exposição a uma gama de concentrações de MCLR pura e de extractos de cianobactérias em linhas celulares hepáticas, renais e de intestino, representativas dos orgãos de acumulação da MCLR, ao nível da viabilidade celular e ultrastrutura. As linhas celulares HepG2 (hepatoma), Vero-E6 e MDCK (renais) e CaCo2 (adenocarcinoma do cólon) foram expostas a 1-100 ìM de MCLR durante 24h e a viabilidade celular foi determinada através do teste do Neutral Red. Observou-se em todas as linhas celulares um decréscimo da viabilidade dependente da concentração de MCLR. Contudo, as células HepG2 mostraram uma maior sensibilidade, seguidas das células Vero e das células MDCK e CaCo2. A observação da ultrastrutura celular a concentrações citotóxicas de MCLR revelou a presença abundante de células apoptóticas nas quatro linhas celulares. A baixas concentrações de MCLR, as células HepG2 e Vero apresentaram numerosos vacúolos citoplasmáticos, com conteúdo electrodenso, indicativo de autofagia. Nas células Vero foram ainda visíveis alterações no retículo endoplasmático, o que sugere que ambos os organelos estão envolvidos num mecanismo de resposta celular a concentrações sub-citotóxicas de toxina. Em células MDCK os alvos intracelulares primários parecem ser o complexo de Golgi e as mitocôndrias, tal como em células CaCo2, ainda que neste caso os efeitos tóxicos sejam observáveis apenas a concentrações de MCLR mais elevadas. Os resultados deste estudo in vitro mostram que a MCLR induz efeitos mais pronunciados nas células de fígado tal como indicado pelos estudos in vivo. Para todas as linhas celulares estudadas a perda de viabilidade é dependente da concentração de MCLR apesar de o tipo celular parecer interferir na sensibilidade e alvos intracelulares da MCLR.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/434
Appears in Collections:DSA - Apresentações orais em encontros internacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
CIC2011_ CM.pdf11,55 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © 2010 www.insa.pt - Todos os direitos reservados | Feedback Ministério da Saúde
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia