Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.18/3767
Título: Modelação do efeito do frio extremo na saúde da população de Lisboa: contributos para um sistema de vigilância e alerta
Autor: Silva, Susana Pereira
Orientador: Nunes, Maria Helena
Nunes, Baltazar
Palavras-chave: Mortalidade
Frio
Efeitos desfasados
Lisboa
FRIESA
DLNM
Portugal
Determinantes da Saúde e da Doença
Mortality
Cold Temperature
Lag effects
Lisbon
Data de Defesa: Fev-2016
Resumo: [PT] Introdução: Diversos estudos já reportaram a associação entre a temperatura ambiente e a mortalidade. Poucos estudos foram realizados, no entanto, especificamente, para o frio incluindo a comparação entre diversos índices meteorológicos. O presente estudo teve como objetivo avaliar os efeitos do frio na mortalidade da população de Lisboa durante o Inverno. Métodos: Foram usados modelos lineares e não lineares de desfasamento distribuído (DLNM) para investigar os efeitos do frio na mortalidade por todas as causas e por doenças respiratórias e circulatórias, em diferentes desfasagens de tempo em Lisboa, e nos períodos de inverno (novembro a março) de 2002 a 2012. Foram comparados vários modelos a fim de comparar o desempenho entre diferentes índices meteorológicos (temperatura média, temperatura média e velocidade do vento, temperatura média e humidade, e temperatura windchill ). Todos os modelos foram ajustados para os efeitos de confundimento da atividade gripal. Resultados: A relação entre a mortalidade e a temperatura aproxima-se da forma U ou V na série anual. Para o período de inverno a relação linear foi a que apresentou um melhor ajustamento para ambas as causas. Os resultados mostram que o efeito do frio não é imediato e persiste até entre 23 e 30 dias, enquanto que o efeito das temperaturas elevadas é imediato. O maior Risco Relativo cumulativo foi encontrado no modelo que considerou a temperatura windchill com um valor de 1.8 (IC95%: 1.7,2.0) para a mortalidade por todas as causas, e um valor of 2.0 (IC95%: 1.8,2.3) para a mortalidade por doenças dos aparelhos circulatório e respiratório. Conclusão: As temperaturas baixas parecem representar um bom preditor da mortalidade em Lisboa, tendo sido encontrada uma maior associação entre o frio e a mortalidade por doenças dos aparelhos circulatório e respiratório. A temperatura windchill parece ser um melhor preditor da mortalidade que a temperatura média.
[EN] Background: Several studies have already reported the association between ambient temperature and mortality. However, few studies have been developed specifically for cold, making a comparison between different meteorological indices. The present study aimed to assess the health effects of cold temperature on mortality in Lisbon population during winter time. Methods: A distributed lag linear and non-linear model (DLNM) was used to investigate the cold effects on mortality by all causes as well as, particularly, by circulatory and respiratory diseases, at different lags in Lisbon, in winter time (from November to March) between 2002 and 2012. A comparison of several models was accomplished in order to compare performance between meteorological indices combinations (mean temperature, mean temperature and wind speed, mean temperature and humidity, and winchill ). All models were adjusted for the confounding effects of u activity. Results: An U or V -shaped relationship between temperature and mortality was observed for annual series. For winter time, the best _t was found for a linear relation between temperature and both mortality causes under study. The results show that cold effect was delayed and persisted for about 23 to 30 days, whereas hot effect was acute and lasted only 1 day. The highest cumulative relative risk for all cause mortality was found using windchill [1.8 (CI95%: 1.7,2.0)]. For mortality by circulatory and respiratory diseases the highest cumulative relative risk was also found using windchill [2.0 (CI95%: 1.8,2.3)]. Conclusion: Cold temperature seemed to be a strong predictor of mortality in Lisbon, with the strongest association found between cold temperature and circulatory and respiratory mortality. Windchill temperature seemed to be a better predictor of mortality than mean temperature.
Descrição: Trabalho de projecto de mestrado em Bioestatística, apresentado à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, 2015
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/3767
Versão do Editor: http://repositorio.ul.pt/handle/10451/23030
Aparece nas colecções:DEP - Dissertações de mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Modelação do efeito do frio extremo na saúde da população de Lisboa.pdf6,47 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.