Repositório Científico do Instituto Nacional de Saúde >
Departamento de Epidemiologia >
DEP - Relatórios científicos e técnicos >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.18/269

Título: “Gripe 2007”. Um estudo sobre comportamentos face à “gripe”
Autor: Branco, Maria João
Nunes, Baltazar
Palavras-chave: Gripe
Estados de Saúde e de Doença
Issue Date: Nov-2007
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Departamento de Epidemiologia
Resumo: O Departamento de Epidemiologia realizou um estudo com o objectivo de caracterizar as práticas adoptadas perante a “gripe”/síndroma gripal, auto-referidas, pela população portuguesa do Continente. O estudo, descritivo transversal, constou de um inquérito realizado por entrevista telefónica, no segundo trimestre de 2007, a um dos elementos de 18 e mais anos, residente nas unidades de alojamento (UA) que integram a amostra de famílias ECOS. Esta amostra é aleatória e constituída por 1034 UA, com telefone fixo, estratificada por Região de Saúde do Continente, com alocação homogénea. Nestas unidades de alojamento residem 3030 indivíduos. As variáveis colhidas contemplaram a caracterização dos inquiridos, nomeadamente, no que diz respeito às “práticas” face à “gripe”. Obtiveram-se 952 questionários válidos. As percentagens estimadas foram as seguintes: A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada obedecendo aos critérios de definição clínica de caso foi de 7%; A taxa de ataque de “gripe” auto declarada, na época gripal de 2006/2007, foi de 21%, na totalidade de residentes das unidades de alojamento (2788); A taxa de ataque de “gripe” auto declarada, na época gripal de 2006/2007, foi de 25%, nos respondentes ≥18 anos (952); A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que apresentaram um início repentino de sintomas foi de 43%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que apresentaram ≥3 sintomas foi de 86%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram contacto próximo com doente com “gripe” foi de 49%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram complicações devidas à “gripe” foi de 10%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram impacto nas actividades quotidianas, nomeadamente ter ficado em casa ou de cama foi de 45%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter consultado o médico foi de 51%; Três (3) respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada referiram ter tomado antivirais específicos para a gripe; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter procurado aconselhamento junto do farmacêutico foi de 28%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter tomado medicamentos a conselho de outra pessoa foi de 3%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter tomado medicamentos por iniciativa própria foi de 36%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter feito tratamentos caseiros foi de 52%; A percentagem de residentes das unidades de alojamento com “gripe” que necessitaram de cuidados de assistência de terceiros na doença foi de 4% que implicou, em média, um absentismo de 7 dias.
Arbitragem científica: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/269
Versão do Editor: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/Publicacoes/Outros/Paginas/Gripe2007Comportamentos.aspx
Appears in Collections:DEP - Relatórios científicos e técnicos

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Relatório gripe 2007.pdf613,85 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © 2010 www.insa.pt - Todos os direitos reservados | Feedback Ministério da Saúde
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia