Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.18/269
Título: “Gripe 2007”. Um estudo sobre comportamentos face à “gripe”
Autor: Branco, Maria João
Nunes, Baltazar
Palavras-chave: Gripe
Estados de Saúde e de Doença
Data: Nov-2007
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge. Departamento de Epidemiologia
Resumo: O Departamento de Epidemiologia realizou um estudo com o objectivo de caracterizar as práticas adoptadas perante a “gripe”/síndroma gripal, auto-referidas, pela população portuguesa do Continente. O estudo, descritivo transversal, constou de um inquérito realizado por entrevista telefónica, no segundo trimestre de 2007, a um dos elementos de 18 e mais anos, residente nas unidades de alojamento (UA) que integram a amostra de famílias ECOS. Esta amostra é aleatória e constituída por 1034 UA, com telefone fixo, estratificada por Região de Saúde do Continente, com alocação homogénea. Nestas unidades de alojamento residem 3030 indivíduos. As variáveis colhidas contemplaram a caracterização dos inquiridos, nomeadamente, no que diz respeito às “práticas” face à “gripe”. Obtiveram-se 952 questionários válidos. As percentagens estimadas foram as seguintes: A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada obedecendo aos critérios de definição clínica de caso foi de 7%; A taxa de ataque de “gripe” auto declarada, na época gripal de 2006/2007, foi de 21%, na totalidade de residentes das unidades de alojamento (2788); A taxa de ataque de “gripe” auto declarada, na época gripal de 2006/2007, foi de 25%, nos respondentes ≥18 anos (952); A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que apresentaram um início repentino de sintomas foi de 43%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que apresentaram ≥3 sintomas foi de 86%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram contacto próximo com doente com “gripe” foi de 49%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram complicações devidas à “gripe” foi de 10%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram impacto nas actividades quotidianas, nomeadamente ter ficado em casa ou de cama foi de 45%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter consultado o médico foi de 51%; Três (3) respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada referiram ter tomado antivirais específicos para a gripe; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter procurado aconselhamento junto do farmacêutico foi de 28%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter tomado medicamentos a conselho de outra pessoa foi de 3%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter tomado medicamentos por iniciativa própria foi de 36%; A percentagem de respondentes (≥18 anos) com “gripe” auto declarada que referiram ter feito tratamentos caseiros foi de 52%; A percentagem de residentes das unidades de alojamento com “gripe” que necessitaram de cuidados de assistência de terceiros na doença foi de 4% que implicou, em média, um absentismo de 7 dias.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/269
Versão do Editor: http://www.insa.pt/sites/INSA/Portugues/Publicacoes/Outros/Paginas/Gripe2007Comportamentos.aspx
Aparece nas colecções:DEP - Relatórios científicos e técnicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Relatório gripe 2007.pdf613,85 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.