Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.18/2560
Título: Violência contra as pessoas idosas em Portugal
Autor: Gil, Ana Paula
Kislaya, Irina
Santos, Ana João
Nicolau, Rita
Nunes, Baltazar
Fernandes, Ana Alexandre
Palavras-chave: Health
Determinants
Violence
Older Adults
Determinantes da Saúde e da Doença
Envelhecimento
Violência
Idosos
Prevalência
Saúde Pública
Portugal
Data: 15-Mai-2014
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Resumo: O estudo desenvolvido no âmbito do Projeto “Envelhecimento e violência” teve como principais objetivos estimar a proporção de pessoas com 60+ anos (prevalência) na população portuguesa sujeita a violência em contexto familiar; descrever os agressores; estimar a proporção das vítimas que denunciaram ou apresentaram queixa e identificar as razões evocadas pelas vítimas para não denunciar. O estudo é do tipo transversal, com uma amostra representativa constituída por 1123 pessoas. Os dados foram recolhidos por questionário estruturado através de entrevista telefónica. Estimou-se que 12.3% da população com 60+ anos (cerca de 314 mil pessoas) foi vítima de, pelo menos, uma conduta de violência, nos 12 meses anteriores à entrevista, por parte de um familiar, amigo, vizinho ou profissional remunerado. Os tipos de violência mais prevalentes foram a financeira (6.3%) e a psicológica (6.3%), seguidos pela violência física (2.3%), a negligência (0.4%) e a sexual (0.2%). A violência é transversal à família nuclear e alargada. Na violência financeira os principais agressores foram os descendentes (filhos/enteados e netos), seguidos dos outros familiares (irmãos, cunhados, sobrinhos, entre outros), os quais foram os principais agressores de violência psicológica. Mais de metade das condutas de violência física foram da responsabilidade dos cônjuges ou companheiros (atuais ou ex). Do total de vítimas, somente um terço denunciou ou apresentou queixa sobre a situação de violência vivida. Quando procurou ajuda, a maioria dirigiu-se às forças de segurança (PSP ou GNR), seguindo-se a rede social informal e os profissionais de saúde. As vítimas referiram a irrelevância do incidente, os laços familiares e a proteção da família como principais razões para não denunciar. O conhecimento da dimensão do problema da violência, das condições de ocorrência e dos motivos para a não denúncia constitui um primeiro passo para o planeamento das políticas públicas que visem assegurar um envelhecimento mais saudável e seguro.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/2560
Aparece nas colecções:DEP - Posters/abstracts em congressos nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Poster_envelhecer_melhor_2014.pdf594,62 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.