Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.18/1183
Título: Programa Nacional de Vigilância da Gripe: relatório da época 2011/2012
Autor: Gonçalves, Paulo
Pechirra, Pedro
Conde, Patrícia
João, Inês
Guiomar, Raquel
Nunes, Baltazar
Palavras-chave: Infecções Respiratórias
Gripe
Influenza
Vigilância Epidemiológica
Médicos-Sentinela
Serviços de Urgência
Síndroma Gripal
Época 2011/2012
Estados de Saúde e de Doença
Saúde Pública
Portugal
Época 2011/2012
Data: Jan-2013
Editora: Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, IP
Resumo: O Programa Nacional de Vigilância da Gripe tem como objectivo a recolha, análise e disseminação da informação sobre a atividade gripal, identificando e caracterizando de forma precoce os vírus da gripe em circulação em cada época bem como a identificação de vírus emergentes com potencial pandémico e que constituam um risco para a saúde pública, procurando contribuir, desta forma, para a diminuição da morbilidade e mortalidade associada à infecção e suas complicações. As informações resultantes da vigilância permitem ainda a orientação de medidas de prevenção e controlo da doença de forma precisa. Com a elaboração deste relatório pretende-se proceder à descrição e divulgação dos resultados obtidos na época de inverno de 2011/2012, efectuando uma síntese da atividade gripal em Portugal durante esta época. Na época 2011/2012 foram notificados um total de 962 casos de SG. A atividade gripal foi considerada alta / moderada e o maior número de notificações foi observado entre final de Janeiro e a primeira quinzena de Março, com um pico de ocorrência na semana 9/2012. As taxas de incidência semanais do SG mantiveram-se acima da área de atividade basal durante 9 semanas consecutivas, entre as semanas 4/2012 e 12/2012, com um valor máximo de 137,71 casos de SG por 100 000 habitantes na semana 10/2012. Mais de metade das notificações tiveram origem em indivíduos do género feminino. O grupo etário mais representado foi o correspondente à população jovem/adulta com idades compreendidas entre os 15 e os 44 anos, embora a distribuição semanal das taxas de incidência revele uma maior incidência da doença no grupo etário correspondente às crianças em idade escolar dos 0-4 anos e maiores de 65 anos. O início súbito e o mal-estar, debilidade ou prostração foram os sintomas/sinais mais frequentes. A vacina antigripal foi administrada a 20,7% dos casos notificados, com a maior proporção de casos vacinados a ser observada no grupo etário dos idosos (≥65 anos). A análise laboratorial a 678 exsudados da nasofaringe revelou a presença de vírus influenza em 39,2% dos exsudados. Dos 266 vírus influenza identificados, 97,7% pertenciam ao subtipo A(H3) e 2,3% pertenciam à linhagem Yamagata dos vírus influenza do tipo B. Os vírus dos subtipos A(H1)pdm09 e A(H1) sazonal não foram identificados nos casos estudados. Os vírus influenza A(H3), predominantes na época 2011/2012 foram detetados entre a semana 51/2011 e 18/2012. A maior percentagem de casos de gripe foi verificada nas crianças com idade compreendida entre os 5 e os 14 anos. A análise antigénica e genética realizada revelou que, na sua maioria, os vírus identificados foram semelhantes às estirpes que constituíram a vacina antigripal desta época. As estirpes de vírus influenza estudadas são susceptíveis aos inibidores da neuraminidase e resistentes aos adamantanos. O diagnóstico diferencial de vírus respiratórios detetou a presença em maior frequência de Rhinovírus humano, seguido de Vírus Sincicial Respiratório e vírus Parainfluenza.
URI: http://hdl.handle.net/10400.18/1183
ISBN: 978-972-8643-74-4
Aparece nas colecções:DEP - Relatórios científicos e técnicos
DDI - Relatórios científicos e técnicos

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Relatório PNVG época 2011-2012.pdf5,76 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.